As lições de quem tirou um sabático sem clientes e nunca mais voltou pra eles

Algumas vezes na vida a gente trava. E não consegue desempacar nem por decreto. Há mais de um ano tive a oportunidade de participar de uma edição do Creative Mornings em Nova York, uma série de palestras que a cada mês discute um mesmo tema em diversos lugares do mundo. O projeto foi idealizado pela Tina Roth Eisenberg, designer e empreendedora suíça radicada em Nova York. Naquele dia, falei brevemente com a Tina. Fiquei nervosa, afinal ela é uma das grandes inspirações da Contente. Pedi uma entrevista, mandei as perguntas, ela respondeu. E eu nunca postei. Uma vergonha.

Sempre que eu travo, busco uma explicação. Dessa vez, foi até meio simples: acho a Tina uma das pessoas mais fantásticas desse mundo que junta internet e empreendedorismo. Ela criou o Swissmiss, um dos melhores blogs da internet, fonte de inspiração constante. Lançou a Tattly, uma marca de tatuagens temporárias para adultos e crianças. Fez o Creative Mornings, uma série de cafés da manhã em que pessoas criativas das mais diversas áreas dão palestras - e o negócio se espalhou por 100 cidades do mundo. Abriu no Brooklyn o Studiomates, um espaço de coworking.

É dessas pessoas realizadoras e generosas que nos deixam com vontade de fazer sempre mais. Fiquei sem jeito porque a acho tão, mas tão legal, que dificilmente conseguiria fazer um texto à altura. Aí veio a vontade de dividir isso com vocês e, finalmente, publicar a entrevista. Espero que vocês aprendam tanto quanto a gente com as palavras dela!

Tina

- Como você soube que queria ser designer?

Quando eu estava crescendo, tinha uma tia que tinha um relacionamento com um designer gráfico. A personalidade maravilhosa dela sempre me inspirou, mas ser capaz de ver que seu parceiro tinha uma carreira artística bem sucedida realmente me impactou. Eu tive sorte de estar cercada de computadores enquanto crescia na Suíça e, rapidamente, fiquei ligada em tecnologia.

- Antes de design você estudou negócios. Qual ajudou mais você? E no que isso influenciou na sua habilidade de criar projetos e tirá-los do papel?

O fato de que eu estudei negócios não foi necessariamente importante. O que foi mais importante foi crescer com dois pais empreendedores. Quando era criança ouvia meus pais discutindo seus pequenos negócios durante o jantar. Eu me familiarizei com questões de negócios, como suporte ao cliente, contratação e decisões globais de desenvolvimento de estratégia de negócios.

- O que te motivou a criar o blog e o que a inspira a atualizá-lo? Qual foi a melhor coisa que aconteceu a você por conta dele? 

Originalmente comecei o Swissmiss como uma coleção pessoal para manter o controle das imagens e dos produtos que eu iria querer revisitar. Eu ficava tão chocada e lisonjeada quando percebia que outras pessoas estavam olhando para o Swissmiss e apreciando o que eu postava... Acho que a melhor coisa que me aconteceu por causa do blog foi que ele criou uma comunidade de apoio que me ajudou a lançar os meus projetos paralelos: CreativeMornings, Tattly, e Studiomates.

- Você fez um sabático para ficar sem clientes e nunca voltou pra eles. Como você descobriu novas maneiras de ter renda? Sentiu uma pressão?

O meu blog, lenta mas seguramente, começou a dar um dinheiro que me ajudava com as despesas mensais. Ao longo dos anos, como o meu número de leitores cresceu, eu era capaz de, eventualmente, cobrir totalmente as minhas despesas básicas. Isso me libertou para ir em busca dos meus projetos paralelos. O que, eventualmente, também começou a dar dinheiro.

- Você sempre fala da importância de manter projetos paralelos. O que você diria para alguém que está agora trabalhando em uma agência, esperando sair às 10 da noite?

Encontre uma maneira de colocar-se em seu trabalho. Se você pode ser feliz com o trabalho que você faz diariamente, você terá a energia para ir atrás de seus próprios interesses.

- Você tem uma série de projetos de sucessos. Quando você se deu conta de que queria criar projetos e se tornar uma empreendedora?

Quando eu estava grávida da minha primeira filha, Ella, agora com 8 anos, encontrei a determinação para começar o estúdio Swissmiss e pegar o trabalho do cliente por minha conta. Minha segunda gravidez (meu filho, Tilo, tem agora 4 anos) me fez perceber que eu deveria parar de pegar trabalho de cliente e buscar transformar meus projetos paralelos (blog Swissmiss, CreativeMornings, meu espaço de coworking, Studiomates, e mais tarde Tattly) em negócios tangíveis. É incrível como eventos de mudança de vida como ter um filho pode nos forçar a olhar para dentro e avaliar nossas escolhas de vida.

- Como as ideias surgem pra você?

Do espaço para o meu cérebro. Boom.

- Você já falhou alguma vez? O que aprendeu com isso?

Sim. Muitas vezes. Eu aprendi a não me debruçar sobre isso, e sim passar para a próxima idéia. Quanto mais você fizer, mais chances você tem de falhar, mas mais chances você tem de ter sucesso em alguma coisa.

- Você é uma das nossas grandes inspirações. Quem são as suas?

Estou constantemente inspirada por qualquer um que cria e faz coisas. Meus studiomates são um grande exemplo de "fazedores". Os criativos em meu estúdio produziram pérolas como Gimmebar, Tattly, Lucky So and So, Dropmark, Editorially, Siteleaf etc, e essa lista continua crescendo! Faço questão de me cercar com a energia do espírito empreendedor. É importante estar em contato com pessoas que pensam como você, porque fazer é contagioso. Na vida, a minha tia excêntrica tem sido uma inspiração profunda para mim. Se eu puder inspirar alguém apenas um décimo do jeito que ela me inspirou, vou me sentir realizada e feliz.

- Nós temos um problema em delegar, achamos que temos que tomar conta de tudo. Você já foi assim? Em que momento se deu conta de que precisa mudar e o que fez pra conseguir isso?

Eu aprendi que a gestão de uma equipe significa capacitar as pessoas para fazer o seu melhor trabalho. Se você não confia nas pessoas ao seu redor para realmente entregar e dar o seu melhor, eles não vão se sentir confiantes o suficiente para fazê-lo. Eu, suíça, gosto de ter tudo sob meu controle. Foi difícil para mim aprender a deixar as coisas irem, mas minha equipe incrível me convenceu rapidamente.

- Nós trabalhamos de casa e adoramos isso. Várias pessoas nos falam para procurar um coworking. Você acha que é importante?

Eu acho que tudo diz respeito a reconhecer como você trabalha melhor. Para mim, pessoalmente, acho que o meu trabalho é melhor quando eu estou cercada por pessoas que pensam como fazer coisas incríveis.

- Como você divide seu tempo entre trabalho e vida pessoal? Você consegue desligar a internet?

Eu tento deixar o trabalho em torno das 18h a cada dia e passo o tempo com meus filhos e meu marido em casa. Quando estou no escritório estou no trabalho e quando estou em casa eu tento ser realmente presente. Claro, eu amo a internet, então eu nunca consigo desligá-la.

- O que fez você se mudar para Nova York e qual foi o maior aprendizado que a cidade te deu até hoje?

Quando me mudei para Nova York, vindo da Suíça em 1999, originalmente queria conseguir um estágio de três meses. Nunca mais voltei para casa. Meu sonho era abrir o meu próprio estúdio de design e depois de encontrar meu caminho em NYC eu o fiz. Mas viver em Nova York e no Brooklyn, especificamente, me deu uma comunidade que me apoiou em cada passo do caminho. Eu não diria que é impossível encontrar uma comunidade forte em outro lugar, mas para mim o Brooklyn significa casa.

- Você está feliz com o que entrega para o mundo com seu trabalho? Tem vontade de impactar ainda mais pessoas?

Olhar para o que se tornou CreativeMornings é verdadeiramente emocionante. Em todo o mundo a cada mês grupos de criativos se reúnem para ter uma conversa. Acho isso muito poderoso e eu estou tão orgulhosa da minha equipe aqui em Nova York e de todo o mundo que faz isso acontecer. A Tattly é um produto fresco e, em seu núcleo, consegue devolver para artistas e designers com generosidade. Me sinto compelida a apoiar, de qualquer maneira, outros projetos criativos, outras pessoas "fazedoras".

- E, pra terminar, qual é o seu mantra de vida?

Eu tenho toda uma lista de regras de vida, mas a minha favorita é investir sua vida no que você ama e não parar até encontrar isso.

Dani Arrais4 Comments