A internet que a gente quer: Juliana Gomes, do Leia Mulheres

leia O projeto Leia Mulheres "estimula a leitura, o debate e a divulgação de livros escritos por mulheres, a partir da organização de clubes de leitura e de eventos sobre literatura em livrarias, centros culturais e bibliotecas. A ideia de que produção literária de mulheres precisa ser mais divulgada se deve ao fato de que apesar das listas de títulos mais vendidos apresentem uma quantidade expressiva de autoras, eventos literários de prestígio, como a Festa Literária Internacional de Paraty, teve apenas duas escritoras homenageadas em 14 edições. Prêmios literários tradicionais como Nobel, em 114 anos, agraciaram apenas 14 escritoras."

Precisamos mudar isso, né? Gostamos demais da ideia, e fomos perguntar para às mulheres que organizam a iniciativa em São Paulo como é a internet que elas querem construir.

#ainternetqueagentequer por Juliana Gomes, do Leia Mulheres

Em 2014, Joanna Walsh lançou a #readwomen. Tiveram blogs, Tumblrs, conversas e promessas editoriais ao redor do mundo. Mas em 2015 a ideia parecia ter esfriado e resolvi recriar isso em solo brasileiro com o #leiamulheres. Chamei duas amigas, a Michelle Henriques e a Juliana Leuenroth, e a ideia cresceu na internet. O que era para ser um clube de leitura presencial em São Paulo, acabou tornando-se nacional.

A internet que eu quero é essa, um meio de propagação de ações que consigam unir boas ideias com pessoas bacanas. A internet é um canal. E o canal que eu almejo é feminista, igualitário e ao mesmo tempo é plural. 

Porque a internet que eu quero é a multicultural, multidisciplinar, multidão que é indíviduo e o respeita como único com sua voz e perseverança. A internet que eu quero traz a pluralidade aos olhos da criança. A internet que eu quero é instrumento para novos rumos de futuro, ponte para educação de melhor qualidade e para uma país mais justo.

A internet que eu quero é conteúdo e prega a igualdade de gêneros através do conhecimento e da vivência integrada. Porque a internet que eu quero é a internet que podemos dizer mais nós em vez de eu!

Quem já passou por aqui:

Rafa Cappai, da Espaçonave

Gui Poulain, do Moldando Afeto

Thaís Fabris, Larissa Vaz e Maria Guimarães, do 65/10

Carol T. Moré, do Follow the Colours

Ana Luiza Gomes, do projeto Andarilha

Patricia Abbondanza, da Dedo de Moça

Debora Baldin, do Canal das Bee

Bia Granja, do YouPix Hub

Michell Zappa, da Envisioning

Dani Arrais1 Comment