A internet que a gente quer: Carol Rocha (@tchulim)

tchulim2 A Carol Rocha é a Tchulim. E a mãe do Tintin. É também a garota que teve sua foto viralizada no extinto Lingerie Day (essa vai pra galera do Twitter), que foi atropelada por um ônibus, precisou de doação de sangue e acabou mobilizando a internet para uma campanha, a Vai Doa, que ganhou uma força surpreendente. É uma apaixonada por redes sociais, onde atua tanto como pessoa física como pessoa jurídica, já que trabalha com publicidade e produção de conteúdo.

Para acompanhá-la > twittercom/tchulim + instagram.com/tchulim + YouTube + Vai Doa

#ainternetqueagentequer por Carol Rocha (@tchulim)

Minha vida mudou completamente por causa da internet. Nela eu ganhei uma nova profissão, amigos, trabalhos, criei projetos, mobilizei pessoas, participei de outras tantas mil coisas.

Mas chegou um ponto que eu estava meio enjoada disso tudo, estava meio estafada, saindo do mercado publicitário, indo trabalhar numa empresa que era o oposto da galerinha hype-sp-publicitário-augusta-vilamadalena.

Foi um período nebuloso.

Aí eu engravidei. Sem planejar. Sem tentar. Puf, engravidei e quis seguir com a maternidade.

Com todas as transformações que uma gravidez gera, meu olhar e paixão pela internet mudou completamente. Embarquei no mundo da maternidade - descobri uma outra internet praticamente - mil assuntos novos, mil pessoas novas para acompanhar, aprendi técnicas, aprendi sobre meu corpo, sobre parto, sobre a infância, assisti congressos online, entrei em grupos, fiz amigas e entendi de uma vez por todas que existe uma internet pra cada pessoa, que eu só precisava de uma motivação para encontrar a minha de vez.

Hoje, faço a minha parte dividindo meus aprendizados e questionamentos de ser mãe-mulher-profissional no meu canal, no meu Instagram, conversando com milhares de mulheres pela rede, contribuindo para essa troca que foi tão essencial para a construção do meu EU-MÃE.

A internet que eu quero é a que leva informação de qualidade, que é inclusiva, que desmistifica velhos paradigmas, que quebra barreira e empodera mulheres.

A internet que eu quero é a que eu estou ajudando a construir.

Mais respostas:

Liliane Prata, jornalista

Gustavo Mini, publicitário/Conector

Ana Paula Freitas, jornalista/Nexo

Luanda Fonseca, do No Drama Mom

Juliana Cunha, do Já Matei por Menos

Juliana Gomes, do Leia Mulheres

Rafa Cappai, da Espaçonave

Gui Poulain, do Moldando Afeto

Thaís Fabris, Larissa Vaz e Maria Guimarães, do 65/10

Carol T. Moré, do Follow the Colours

Ana Luiza Gomes, do projeto Andarilha

Patricia Abbondanza, da Dedo de Moça

Debora Baldin, do Canal das Bee

Bia Granja, do YouPix Hub

Michell Zappa, da Envisioning

ContenteComment